Posso vender o carro que ainda estou a pagar? Conhece o caso do António

CRÉDITO CONSOLIDADO – Caso Real

O Cliente António é solteiro, não tem filhos e é programador informático. Tem facilidade de trabalhar de forma remota em qualquer parte e surgiu-lhe a oportunidade de investir num negócio de turismo rural no Alentejo. 

Para aproveitar esta oportunidade o António precisava de 20 000 € de liquidez e queria trocar o seu automóvel por outro. No entanto, ele já tinha diversos créditos contraídos (incluindo o do automóvel) que pagava com um rendimento mensal de 3 600 €. 

SITUAÇÃO QUANDO CONTACTOU A DONA POUPANÇA:

TIPO DE CRÉDITO Montante em dívida Prestação Mensal
Crédito Habitação 160 000 € 500 €
Crédito Automóvel 26 000 € 440 €
Crédito Pessoal 13 150 € 257 €
Crédito Pessoal 7 350 € 130 €
Cartão de Crédito A 4 900 € 200 €
Cartão de Crédito B 1 500 € 75 €
Total SEM habitação 52 900 € 1 102 €
Total COM habitação 212 900 € 1 602 €

SOLUÇÃO PROPOSTA:

As sugestões propostas ao António foram: 

  • Consolidar todos os seus créditos, à exceção do Crédito Habitação pois este já se encontrava com as melhores condições de pagamento. 
  • Incluir os 20.000€, para a sua oportunidade de investimento, na consolidação dos créditos. Desta forma fica apenas com um crédito.

CONCLUSÃO:

O cliente aceitou a proposta e fez-se um crédito consolidado de 72 900 € a 84 meses (7 anos). Ficou a pagar apenas uma prestação mensal de 1 242 € em vez das 5 que tinha quando contactou a Dona Poupança (a do crédito habitação não está incluída no Crédito Consolidado).
TIPO DE CRÉDITO Montante em dívida Prestação Mensal
Crédito Habitação 160 000 € 500 €
Crédito Consolidado 72 900 € 1 242 €
Total 232 900 € 1 742 €

Apesar de ficar a pagar mais 140€ do que pagava antes, não só melhorou o perfil financeiro porque ficou apenas com o Crédito Habitação e consolidado, como ficou com mais 20.000€ por apenas 140€ (se pedisse um crédito pessoal de 20.000€ ficaria com uma prestação a rondar os 330€.

Esta reorganização financeira permitiu-lhe ter uma melhor gestão mensal e possibilidade de realizar o seu projeto de investimento.

BÓNUS: E O QUE ACONTECEU AO AUTOMÓVEL?

Quando compramos um automóvel através de crédito o seu proprietário é a entidade de crédito e não quem comprou o carro. Através de créditos É FREQUENTE a entidade credora ficar com a reserva de propriedade do automóvel. Ou seja, o carro fica em nome da entidade credora até que o crédito seja liquidado.

Ao consolidar o crédito deixa de haver distinção entre Cartões de Crédito, Crédito Automóvel e Crédito Pessoal.

E isto significa que o automóvel passou ao estado de liquidado e, por isso, ficou sem reserva de propriedade por parte da entidade credora. Por outras palavras, o dono do automóvel passou a ser o António e não a entidade credora.

O que resulta na possibilidade de o poder vender e usar o dinheiro para o que preferir. Neste caso, o António preferiu usá-lo para comprar outro automóvel.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este website usa cookies para oferecer uma melhor experiência de utilizador. Ao usar este portal, aceita todas as cookies.