Inteligência financeira

Vivemos na era da informação e o conhecimento está à distância de um clique. É fácil encontrar as respostas para as nossas questões. E o que ganhas com isso? Algo muito valioso. A capacidade de encontrar soluções para os teus problemas.

Falar de dinheiro não tem que ser um bicho de sete cabeças. Sermos capazes de tomar a melhor decisão no que respeita a um consumo consciente, também não. Isto porque, até é bastante acessível aprender a gerir melhor as tuas finanças pessoais se souberes dar os passos certos.

Inteligência financeira
Inteligência financeira

Inteligência financeira

Inteligência financeira é um conceito que ensina a adotar as melhores práticas para gerir o nosso dinheiro: hábitos e comportamentos, redução de despesas, poupar e investir numa carteira de investimentos diversificada.

Tomar decisões torna-se mais fácil porque as fazes com inteligência. Todos nós temos sonhos como viajar ou comprar um carro e ao seguires as diretrizes vais conseguir.

Muito focada em definições de objetivos e metas, inteligência financeira, foi pensada para todos os tipos de rendimento. Ganhes menos ou mais o que se pretende é que cries orçamentos e planeies. Esquece as compras por impulso.

A inteligência artificial é:

  • Criar uma estratégia eficiente que permita reduzir consumos exagerados;
  • Filtrar o que é e não é importante comprar;
  • Evitar compras de impulso;
  • Comprar por prioridades;
  • Poupar (Fundo de Emergência 3 a 6 meses);
  • Poupar para investir;
  • Estudar vários investimentos;
  • Combinar estratégias de investimento entre si.

Os pilares da Inteligência financeira

1. Mindset

Possuir muito dinheiro nem sempre significa uma boa gestão. Por vezes, o estilo de vida, quando analisado, percebesse que se vive acima das posses.

Por isso é que o nosso mindset, maneira de pensar, é muito importante porque é ele que nos leva a fazer escolhas inteligentes.

É aqui que entra os hábitos. Começa por saber quanto recebes ou seja quanto entra na tua conta bancária todos os meses.

Assim que souberes torna-se mais fácil definir os teus objetivos a curto e longo prazo. Podem ser objetivos pessoais ou em conjunto (por exemplo: pessoas casais).

Ao definires as tuas prioridades vais mudar o estilo de vida para acomodar os teus sonhos.

2. Orçamento

É fundamental criar um orçamento mensal para não te perderes. Assim sabes para onde vai o dinheiro que gastaste, o dinheiro que poupaste e o dinheiro que investiste.

Ou seja, apercebeste melhor de quais são as tuas despesas fixas e variáveis. É as despesas variáveis que vais ter de controlar melhor, porque é onde se compra mais de forma impulsiva e sem critério. Principalmente, se fores facilmente influenciado por campanhas de marketing.

Recomendo que analises os teus gastos a partir de 3 meses para teres termo de comparação e ver a tua evolução.

3. Poupanças e investimentos

O perfil de investidor é algo que deve ser trabalhado. Não é preciso ter experiência para experimentar, mas é necessário, acima de tudo, analisar os vários investimentos.

Todos os investimentos têm características diferentes e alguns deles estão sujeitos a impostos. Por isso, reserva um tempo para estudar e analisar o mercado.

E, antes de investir, é fundamental ter um fundo de emergência para os imprevistos.

Para te ajudar nesta jornada, conhece a regra dos 3 P.

A regra dos 3 P

Há 28 anos atrás John Elkington, consultor britânico, referiu os 3 P (People, Planet and Profit) da sustentabilidade. A partir desse momento os 3 P têm vindo a ser adaptados a cada área de negócio, incluindo nas finanças e dependendo das mensagens que querem passar.

A regra dos 3 P deve ser entendida como uma reflexão sobre como queremos gerir as nossas finanças pessoais. É como um guia, através dos 3 P, conseguimos analisar o ambiente económico que vivemos dentro de casa.

Se alinharmos o que é a inteligência financeira com os 3 P conseguimos resumir e detalhar o que precisamos de fazer todos os meses:

  • Paciência: Todos os meses a paciência deve ser levada em conta como uma rainha porque planear leva tempo e o orçamento mensal deve ser feito com calma. 

 

  • Prudência: O controlo das atividades financeiras tem de ser feito com muita prudência. Não comprar por impulso, considerar primeiro prioridades para chegar ao final do mês com dinheiro de lado.

 

  • Persistência: Os hábitos são os nossos melhores amigos. É importante continuar, persistir, e nunca desistir.

É como andar de bicicleta.

 

Preparado?

Alguma vez consultaste a conta bancária e chegaste à conclusão que não sabes onde gastaste o dinheiro? Lê tudo neste link.

Um pensamento em “Inteligência financeira

  1. Sempre fui um desastre no gerenciamento de dinheiro, há um mês que decidi mudar esse quadro e graças ao seus conteúdos*Donapoupança* têm aprendido muito!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este website usa cookies para oferecer uma melhor experiência de utilizador. Ao usar este portal, aceita todas as cookies.