Gestão do orçamento: técnica do envelope

Se estás à procura de uma maneira de gerir melhor o orçamento, apresento-te a técnica do envelope. É uma técnica que facilita o dia-a-dia na forma como organizamos os nossos gastos.

A técnica do envelope como método na gestão das finanças pessoais
A técnica do envelope como método na gestão das finanças pessoais

Menu do artigo

A técnica do envelope

Estamos sempre à procura de estratégias para melhorar a gestão das nossas finanças pessoais. Todas as pessoas escolhem métodos diferentes e se funcionarem dentro das suas perspectivas, colocam em prática no seu dia-a-dia.

Claro que existem inúmeras estratégias que variam e evoluem ao longo do tempo. A técnica do envelope é uma delas.

Esta técnica pode ser feita com envelopes físicos ou através de cofres digitais. O que se pretende é que o dinheiro fique separado por categorias de despesas para ajudar na gestão do orçamento familiar.

Separar o dinheiro por categorias e colocar num envelope
Separar o dinheiro por categorias e colocar num envelope

As despesas fixas

Todos os meses sabemos quais são as nossas despesas fixas e, mesmo que variem de preço, como o gás natural ou a água, sabemos mais ou menos quanto se vai gastar.

Estas podem ser as tuas despesas fixas:

  • Empréstimo de casa ou renda;
  • Condomínio;
  • Alimentação;
  • Gastos com a/as viaturas: combustível, carro, mecânico, estacionamento, portagens;
  • Contas de casa: eletricidade, água, gás e telecomunicações;
  • Saúde: medicação, consultas, Seguro de Saúde;
  • Educação: Mensalidades, Material escolar, atividades extracurriculares;
  • Ginásio;
  • Subscrições online;
  • Animais de estimação.

Por isso, depois de saberes quais são as tuas despesas fixas, colocas o dinheiro em cada envelope e anotas a lápis o valor correspondente a cada dívida. Esse valor vai ser a tua estimativa de gasto mensal.

Como utilizar a técnica do envelope

O envelope

Cada envelope representa uma categoria de despesa.

Quando a despesa é paga o dinheiro é retirado do envelope correspondente. Alguns envelopes, por exemplo, podem ser referentes a uma categoria como o lazer. Se este envelope ficar sem dinheiro, significa que não se pode fazer mais despesas nesta categoria.

Ou, se, por exemplo, as despesas da água forem menores ao esperado, significa que nesse envelope sobra dinheiro.

Esta técnica permite, assim, priorizar as nossas obrigações financeiras.

A técnica do envelope como uma estratégia visual

Não ter um orçamento familiar ou objetivos financeiros, torna-se mais fácil começar a gastar assim que se recebe o salário. Desta forma, não existe gestão das finanças pessoais.

Para muitas pessoas é entrar numa corrida dos ratos, corrida essa que nunca para de aumentar o stress e ansiedade financeira. Pois, não se sabe quanto foi gasto ou onde e porque não se conseguiu poupar.

A técnica do envelope, ajuda, assim, a visualizar e a organizar os envelopes por despesa. Parece uma estratégia um pouco arcaica, mas existem ainda os cofres digitais para quem não quer usar um envelope físico.

O cofre digital

O cofre digital serve para seguir os registos das faturas, consultar e armazenar, sem necessitar do envelope físico.

Pode ser um complemento para saber sempre para onde o dinheiro foi quando a despesa é paga através do cartão de crédito.

Como gerir o orçamento com a técnica do envelope

1. Estabelece as categorias de despesas fixas

Identifica as diferentes categorias de despesas que tens todos os meses. Se tiveres um orçamento familiar, podes utilizar as que lá estão.

Não é necessário teres um envelope físico para todas as categorias. Podes só ter para aquelas que são mais importantes e as que tens de ter um maior controlo.

O método da técnica do envelope para poupar
O método da técnica do envelope para poupar

2. Define um orçamento para cada categoria

Define um limite de gasto mensal para cada uma das categorias.

Por exemplo, 300 euros para alimentação, 200 euros para transporte, 500 euros para o crédito habitação e/ou 200€ para o crédito automóvel.

O mais importante é nunca ultrapassar o orçamento e/ou utilizar o dinheiro que sobra de uma despesa fixa para gastar numa outra coisa.

Com esse dinheiro podes poupar, investir ou colocar de parte para os impostos ou férias.

3. Separa o dinheiro em envelopes

O objetivo da técnica do envelope é que tenhas envelopes separados e identificados com o nome de cada categoria de despesa.

O dinheiro é lá colocado assim que recebes o teu salário.

4. Utiliza o dinheiro dos envelopes para despesas

Na altura do pagamento retira o dinheiro do envelope correspondente. No entanto, com a maioria dos pagamentos por débito direto a utilização dos envelopes deixa de fazer sentido para muitas categorias de despesas.

Por outro lado, existem categorias para as quais pode fazer mais sentido como transporte que é pago na hora ou a alimentação.

5. Acompanha os gastos e reavalia regularmente

O orçamento familiar é muito importante para fazer a gestão da técnica do envelope e deve ser feito todos os meses. No final do mês deves analisar como estás financeiramente e se está a correr de acordo com os objetivos que definiste.

Por isso, regista toda a informação, relativamente aos envelopes. Quanto dinheiro se gastou, quanto sobrou, se foi preciso colocar mais. Esta gestão ajuda-te a acompanhar os gastos que tens e a ter uma noção clara das subidas/alteração de preço, dívidas e poupança.

Infelizmente, se alcançaste o limite de uma despesa, significa fazer reajustes aos hábitos de consumo e/ou renegociar serviços.

6. Prioridades

É essencial adaptar a técnica do envelope ao teu modo de gerir as finanças pessoais. Todas as pessoas utilizam esta técnica de maneira diferente. É preciso estabelecer prioridades, principalmente para quem tem dívidas e dificuldade em controlar as despesas com o cartão de crédito.

O planeamento é a chave do sucesso

Sempre que o pagamento seja feito o recibo/fatura deve ficar no envelope da categoria correspondente.

Isto significa que no final do mês vais somar, individualmente, os valores estimados (o valor que está a lápis no envelope) e os valores reais (o valor que está em cada recibo/fatura).

Depois comparas entre os dois valores e percebes se a estimativa cobriu ou igualou a despesas que esperavas.

A técnica do envelope é, assim, perfeita para saber quanto dinheiro se recebeu, quanto se gastou e como fizeste a distribuição do dinheiro pelas várias categorias.

Vídeos sobre a técnica do envelope

Vantagens de utilizar a técnica do envelope

  • Maior controlo dos gastos;
  • Ganhar uma visão clara do que se gasta com cada despesa;
  • Evitar o stress financeiro ao gerir as finanças pessoais;
  • Observar o dinheiro a entrar e a sair do envelope (saber o que gasta por mês);
  • Ter objetivos financeiros (poupança).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este website usa cookies para oferecer uma melhor experiência de utilizador. Ao usar este portal, aceita todas as cookies.