O processo é mais importante que o resultado?

Nas finanças pessoais o processo é mais importante que o resultado. Parece contraproducente, mas se não soubermos qual é o processo, como podemos obter resultados?

Não existem atalhos por isso é que o processo é mais importante que o resultado
Não existem atalhos por isso é que o processo é mais importante que o resultado

Estamos tão focados nos resultados que não damos o devido valor ao processo, pois é este que engloba as metas e os objetivos que decidimos alcançar.

Todos temos um propósito ou uma missão e o dinheiro é a alavanca principal. Ao utilizarmos o dinheiro, esperamos que este nos leve ao que queremos: uma casa, um carro, mais segurança. Mas quais foram os passos que demos, o que analisamos e o que ponderamos?

É preciso aprender e perceber quais os passos envolvidos. Para nos tornarmos proficientes, temos de aprender, de fazer.

O processo é o nosso método. Só se pode obter bons resultados, quando tivermos dominado o mais básico, a disciplina e o foco.

Porque o processo é mais importante que o resultado?

1. Exemplo: Comprar uma casa

Quando sabemos que alguém comprou uma casa, só vemos o resultado final: a casa. Mas desconhecemos todo o processo pelo qual essa pessoa passou para comprar a casa.

Quando decides fazer alguma coisa com o teu dinheiro tens de tentar perceber como vais do ponto A ao ponto B.

Logo à primeira vista todo o processo, antes de o resultado ser a aquisição da casa, passa por vários obstáculos e dificuldades. A procura, os orçamentos, o banco, a negociação, entre outras.

Existem uma série de fatores que têm de ser analisados porque comprar uma casa é um grande investimento.

Conselho: Os desafios são importantes para melhorarmos e crescermos. Quem compra uma casa, de certeza que se voltar a comprar vai fazê-lo de outra forma e melhor. Porque já sabe onde falhou da primeira vez.

Por isso, se o teu objetivo fosse comprar uma casa, primeiro terias de estudar qual o melhor processo para a adquirir e só depois começar a aplicá-lo.

2. Presente vs futuro

Deves focar-te, apenas, no que podes fazer no presente.

Uma das grandes habilidades que se desenvolve e que é a base para gerirmos bem e de forma simples as nossas finanças pessoais é:

  • Fazer o orçamento mensal;
  • Analisar contratos e subscrições;
  • Poupar no dia-a-dia;
  • Preparar uma lista de compras para não gastar demasiado;
  • Procurar promoções;
  • Liquidar ou amortizar dívidas;
  • Investir.

Quando fazes alguma coisa, esta deve estar sempre em alinhamento com os teus objetivos e metas.

Se estiveres focado no presente, vais preparar o teu futuro, planear todas as despesas, imprevistos e/ou o teu crescimento quando decides investir.

O teu futuro é quando decides no teu presente escolher:

  • Cuidar da tua saúde (seguro de saúde);
  • Proteger a tua vida (seguro de vida);
  • Construir o teu fundo de emergência;
  • Investir (plano previdência privada).

Conselho: Falhar é inevitável. Desistir é impensável.

Estas duas variáveis podem orientar-te no teu presente. Este processo básico que se estabelece para uma boa gestão das finanças pessoais pode não correr bem à primeira vez.

Quando vais poupar, podes irracionalmente gastar. Podes perder dinheiro em investimentos. Pode acontecer muita coisa. Mas se estiveres determinado, pouco a pouco, vais desenvolver o teu método e o processo acaba por se tornar mais fluido.

3. Re-avaliar

Quando referimos que o processo é mais importante que o resultado é porque quando olhamos para trás está lá todo o nosso empenho, naquele objetivo, que nos levou a alcançar algo.

Imagina que queres poupar para fazer uma viagem. Podes começar a planear, a poupar, mas quando chegas a meio, percebes que vais precisar de mais dinheiro do que tinhas estipulado inicialmente.

O que vais fazer? Não previste que pudesses precisar do dobro do dinheiro e não tinhas nenhum plano B.

O que deves fazer é re-avaliar e ajustar de acordo com os novos dados o teu plano. Nada está perdido.

Conselho: Acredita no processo. Os melhores resultados são alcançados quando estamos dispostos a melhorar e a reajustar o que for necessário.

4. Garantir que os processos estão a alcançar resultados desejáveis

São os processos que garantem que obtemos resultados, por exemplo, como poupar dinheiro. A longo-prazo, dependendo do processo, podes, até aumentar a quantia que poupas todos os meses.

Um processo bem sucedido pode apresentar os seguintes passos para poupares mais:

  • Quanto é que gastas por mês: aponta por categorias as tuas despesas mensais.

Conselho: Tens à disposição várias apps que te ajudam nesta tarefa. Sabe mais neste artigo.

  • Orçamento: inclui uma sessão das poupanças e planeia poupar, por exemplo, de 5% para 10%.

Conselho: Existem muitas despesas que não ocorrem todos os meses. Aproveita para poupar através dessas despesas.

  • Curto e longo prazo: tem poupanças que possas utilizar a curto e a longo prazo.

Conselho: Estipula valores para cada poupança, segundo os objetivos que tenhas para cada uma, assim como metas para ires analisando se estás a conseguir atingir os valores a que te comprometeste.

O processo ajuda e orienta-te para que a tua gestão seja mais fácil e flexível, por isso é que é mais importante que o resultado.

Sem objetivos e sem saberes o que se pretende como resultado final, perdes o foco e o propósito, ou seja, o que te levou a poupar, por exemplo. 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este website usa cookies para oferecer uma melhor experiência de utilizador. Ao usar este portal, aceita todas as cookies.